Batistas: defensores da liberdade religiosa

“Irmãos, vocês foram chamados para a liberdade. Mas não usem a liberdade para dar ocasião à carne; ao contrário, sirvam uns aos outros mediante o amor.”
Gálatas 5.13

O renomado pastor batista George W. Truett (1867-1944), em um sermão sobre os batistas e a liberdade religiosa, citou o historiador George Bancroft, dizendo: “Liberdade de consciência, ilimitada liberdade da mente, era desde o início o troféu dos batistas”.

Truett também citou a declaração do filósofo inglês John Locke, “Os batistas foram os primeiros a propor a liberdade absoluta, justa e verdadeira liberdade, igual e imparcial liberdade”.

A luta pela liberdade religiosa
A verdade é que os batistas estão entre os líderes na luta pela liberdade religiosa, mas a grande custo durante um longo período de tempo. Na verdade, a liberdade religiosa tem sido, e ainda é, muito rara. Nos primeiros dias do movimento cristão, oficiais do governo perseguiram severamente os cristãos. Durante a Idade Média e o tempo da Reforma Protestante, a liberdade religiosa era quase inexistente, porque tanto a Igreja Católica Romana quanto igrejas protestantes recorreram à ajuda de seus governos para perseguir aqueles que discordavam de suas doutrinas.

Na Inglaterra, Thomas Helwys (c.1556-1616), reconhecido como o primeiro pastor batista em solo Inglês, ousou desafiar a declaração do rei de ser a autoridade em questões religiosas. Helwys escreveu um panfleto em 1612 intitulado “The Mystery of Iniquity” (O mistério da iniqüidade) e enviou uma cópia assinada ao Rei James I com uma dedicatória na qual ele declarou, “O rei é, portanto, um homem mortal e não Deus, portanto não tem nenhum poder sobre as almas imortais dos seus súditos, para fazer leis e ordenanças a eles e colocar senhores espirituais sobre eles”.

Por causa desta declaração corajosa de Helwys sobre liberdade religiosa, o Rei James o colocou na prisão, onde ele morreu, pela causa da liberdade religiosa, não para os batistas, mas para todos. Muitos outros sofreram pela mesma causa. Por exemplo, John Bunyan (1628-1688), autor de “O Peregrino”, sofreu numa prisão inglesa por muitos anos porque como pastor batista ele não aceitava restrições à liberdade religiosa.

Na América do Norte, Roger Williams (1603-1683) foi perseguido por suas opiniões sobre a liberdade religiosa. Em janeiro de 1636, ele fugiu de Massachussets e foi se refugiar com amigos nativos. Na primavera, ele fundou a colônia de Rhode Island com a garantia da liberdade de consciência para todos os cidadãos. Ele também ajudou a estabelecer a primeira igreja batista no Hemisfério Ocidental.

No entanto, a liberdade religiosa era escassa em todo o Novo Mundo. Batistas lançaram esforços para cima e para baixo da costa Oriental para estabelecer a liberdade religiosa. Muitos batistas foram açoitados publicamente, presos e multados por funcionários do governo, bem como ser espancados e ridicularizados por pessoas que não simpatizavam com sua causa.

Finalmente, através de esforços de líderes como Isaac Backus (1724-1806) na Nova Inglaterra e John Leland (1754-1841) em Virgínia, a voz batista, apoiado por outras vozes, teve atenção. Por exemplo, acredita-se que Leland juntou-se com James Madison sob um carvalho em Orange County, Virginia, e garantiu o compromisso de Madison para trabalhar em favor de uma emenda à Constituição para estabelecer uma nova liberdade religiosa. A Constituição dos Estados Unidos da América, que no início não garantia liberdade religiosa, foi alterada sob a liderança de Madison para instituir tal garantia. Pela primeira vez na história, uma nação estabelecia completa liberdade religiosa para os seus cidadãos.

As bases da liberdade religiosa
Por que os batistas estavam dispostos a pagar tão caro pela liberdade religiosa? Por que eles não estavam satisfeitos com a mera tolerância, mas ao invés disso promoviam a causa da liberdade religiosa, não só para si, mas para todos? A resposta está em crenças fundamentais Batista sobre a natureza da fé cristã.

A devoção Batista à liberdade religiosa está intimamente relacionada com outras verdades que são parte do mosaico de crenças e práticas batistas. A liberdade é uma parte integrante desse mosaico.

  • Liberdade para seguir a Cristo. A Bíblia revela que Jesus como Senhor chama pessoas para segui-lo (Mateus 7: 21-27; 16: 24-25). No entanto, esta comunhão deve ser voluntária, não coagida. Além disso, as pessoas devem ser livres para seguir a Cristo, não impedidas por nenhuma igreja ou o governo. A salvação em Cristo é uma resposta de fé ao dom da graça de Deus em Seu Filho (Efésios 2: 8-10). Liberdade de anunciar, ouvir e responder a esta boa notícia nunca deve ser restrita.
  • Liberdade de ler e interpretar a Bíblia. A Bíblia é a autoridade de fé e prática. Batistas insistem que cada pessoa que responde pela fé em Cristo se torna um sacerdote cristão dotado por Deus de compreender e aplicar a Bíblia com a orientação do Espírito Santo. Nem igreja, nem funcionários do governo devem obstruir o estudo da Bíblia ou ditar o que a Bíblia ensina. Cada pessoa deve ser livre para fazer isso por si mesma.
  • Liberdade para ser batizado. Batistas insistem que o batismo deve ser realizado apenas a quem voluntariamente se compromete com a fé em Cristo (Romanos 6: 3-5; Colossenses 2:12). Ele nunca deve ser forçado a ninguém. Também não se deve impedir uma pessoa de ser batizada.
  • Liberdade de escolher e apoiar uma igreja. A Bíblia ensina que a igreja é uma comunhão voluntária de crentes batizados que apoiam voluntariamente seu ministério (Atos 2:47; 2 Coríntios 9: 7). Portanto, os Batistas se opõe fortemente ao conceito de uma igreja apoiada pelo Estado ou o uso de fundos públicos para subsidiar o ministério da igreja.
  • Liberdade para governar a igreja. Em Cristo e pelo Espírito Santo, os sacerdotes cristãos são competentes para governarem eles mesmos uma igreja autônoma (Atos 6: 1-6; 1 Coríntios 5: 1-13). Portanto, eles devem ser livres para fazê-lo sem serem controlados pelas autoridades eclesiásticas ou governo, sempre que a saúde ou a segurança pública não são ameaçadas.
  • Liberdade pata testemunhar e ministrar. Batistas creem que os sacerdotes cristãos têm a responsabilidade de compartilhar o evangelho com os outros e ministrar em nome de Cristo. Portanto, os Batistas insistem que as pessoas devem ser livres para evangelizar e ministrar sem interferência de qualquer autoridade humana (Atos 5: 29-42).

Aplicação de Liberdade Religiosa
Batistas pagaram um alto preço no passado para ajudar a estabelecer a liberdade religiosa para todos. O que os batistas hoje devem fazer com esta preciosa herança?

  • Salvaguardar a liberdade religiosa. A eterna vigilância é o preço da liberdade, incluindo a liberdade religiosa. Leva apenas uma ou duas gerações agindo com negligência para tudo o que foi conquistado com sacrifício por tantas gerações seja perdido.
  • Continuar os esforços em favor da liberdade religiosa. Muitas pessoas no mundo ainda vivem onde não há liberdade religiosa. A perseguição pelas autoridades religiosas e governamentais continua.
  • Se comportar de forma responsável com a liberdade religiosa. Exercer a liberdade de estudar a Bíblia com cuidado, servindo como um membro ativo na igreja, compartilhar o evangelho com os outros e viver de acordo com os ensinamentos de Jesus.
  • Defender a separação de Igreja e Estado. Um corolário da liberdade religiosa é a separação amigável entre organizações religiosas e autoridades governamentais. Batistas têm defendido este conceito e devem continuar a fazê-lo.
  • Use a liberdade para o benefício dos outros. Paulo escreveu: “Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade; Mas não useis da liberdade para dar ocasião à carne, antes pelo amor servi-vos uns aos outros”(Gálatas 5:13). Assim, temos de usar nossa liberdade, não egoisticamente, mas para servir às necessidades de pessoas em todo o mundo.

Conclusão
Em grande perigo e sacrifício os batistas ajudaram a estabelecer a liberdade religiosa para multidões nessa geração. Agora depende dos batistas de hoje ajudar a preservar essa preciosa herança para as gerações seguintes.

“É impossível definir os batistas sem incluir sua devoção ao princípio de completa liberdade religiosa”.
William R. Estep
Por que batistas?

Home Widget 1

This is your first home widget box. To edit please go to Appearance > Widgets and choose 6th widget from the top in area 6 called Home Widget 1. Title is also manageable from widgets as well.

Home Widget 2

This is your second home widget box. To edit please go to Appearance > Widgets and choose 7th widget from the top in area 7 called Home Widget 2. Title is also manageable from widgets as well.

Home Widget 3

This is your third home widget box. To edit please go to Appearance > Widgets and choose 8th widget from the top in area 8 called Home Widget 3. Title is also manageable from widgets as well.
Top